Diagnóstico precoce do câncer de mama é fundamental para o sucesso do tratamento

 

shutterstock_154750382

 

 

Ter um câncer diagnosticado é sempre um baque. Não importa a idade do paciente, a classe social a que pertence, nem o sexo, ninguém está preparado para ter um câncer.

Apesar de não ser uma doença exclusivamente feminina, o câncer de Mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres no mundo todo.

Além de todo o estigma que o câncer tem, há a preocupação com a retirada da mama e a perda dos cabelos, causada pela quimioterapia. Essas duas perdas são mais do que estéticas, elas influenciam diretamente no psicológico da paciente e nós sabemos o quanto é importante adotar uma postura positiva diante de qualquer doença.

Aos 34 anos, com dois filhos pequenos, Roberta Ambra foi diagnosticada com câncer. Apesar de sempre fazer o autoexame, não foi dessa forma que ela descobriu que estava doente. Se ela não tivesse procurado os médicos, talvez tivesse tido maiores complicações, “Em Fevereiro de 2012 levei uma cabeçada de Rafaela no peito e doeu muito. Senti uma coisa estranha, que não era caroço, como se fosse leite empedrado. Rafaela não tinha um ano e ela nasceu prematura, não pude amamentar direito enquanto ela esteve na UTI. Fiquei com muito leite empedrado, então achei que era.”, conta.

Felizmente Roberta decidiu investigar, “Comecei a fazer os exames e a procurar médicos. Fui a dois médicos aqui em Niterói, que me deram diagnósticos diferentes. Quando recebi os exames foi um choque. Tenho dois filhos pequenos, só pensava que ia morrer. Descobri um medico no Rio, que também é do INCA e que me operou. Tive que fazer mastectomia com a reconstrução. Já fiz três cirurgias da reconstrução. Depois da cirurgia fiz seis meses de quimioterapia, foi pesado, mas com a ajuda de todos aqui, passei bem. Agora tomo um comprimido por dia, durante cinco anos. E faço exames duas vezes por ano.”, explica.

No caso da Roberta vários fatores foram determinantes para o sucesso do tratamento, “O tamanho do tumor não influenciou na cirurgia, mas sim a localização, a extensão e a minha idade é claro, tinha 34.”, finaliza.

O que preocupa é que muitas mulheres não fazem os exames necessários para um diagnóstico precoce. Precisamos estar atentos aos sinais do nosso corpo, qualquer alteração deve ser notada e levada a sério. Quando uma lesão com menos de dois centímetros de diâmetro é diagnosticada, a chance de cura é muito maior. Estimasse que em 2014 no Brasil mais de 57 mil novos casos de câncer de mama podem surgir. Estar em dia com a sua saúde é o que vai garantir que você ainda tenha muitos anos de uma vida saudável ao lado das pessoas que ama. Se cuidar é uma prova de amor!