Imagem retirada da página noticias.universia.com.br

Imagem retirada da página noticias.universia.com.br

 

“Opinião” por Catarina Mafra

 

É magnífico ver pessoas que buscam trabalhar não só para cumprir com o ritual que o capitalismo impõe. Pessoas que buscam do outro o seu melhor, que aceitam novas ideias e que propõem diversas outras formas para alcançar o objetivo, enfim, pessoas realmente diferenciadas.

Acho que ainda existe, infelizmente, em nosso país, o ranço da escravidão. O sentido da palavra buscado no dicionário, por si só já define o que estou querendo colocar: “está submetido à vontade de um senhor, a quem pertence como propriedade”.

De certa forma, isso ainda é aplicado. Não percebemos porque temos recompensa, mas parando para analisar com calma, você enxerga isso facilmente. É uma cadeia onde o que se encontra no topo da pirâmide ordena para que todo o resto faça, sem questionar.

O que posso dizer, e digo com sorriso no rosto, é que isso está mudando e cada vez mais é possível enxergar que pessoas felizes produzem mais, seja em qualquer área que atue.

O diretor de uma escola no Sul da Flórida, Mr. Peters, decidiu aplicar o seu diferencial como líder e a resposta não poderia ser diferente. Crianças mais felizes, mais envolvidas com a escola, querendo aprender cada vez mais e como consequência desse ato lindo e inteligente vieram os prêmios pela iniciativa do diretor. Percebe que ele conseguiu juntar duas coisas sem que um dos lados saísse prejudicado? Vou colocar o vídeo sobre o que ele está fazendo.

Link do vídeo:
http://globoplay.globo.com/v/4972953

O novo choca e normalmente é desacreditado por muitos, mas é muito necessário e importante para acompanhar a evolução. Veja: no passado os professores eram até temidos pelos alunos e hoje conseguimos ver que um líder pode ser parceiro e não deixará de existir a hierarquia, acho que essa palavra está até fora de moda.

É preciso ouvir todos os lados e saber filtrar o que vale e o que não vale a pena, mas é aquele filtro sem preconceitos formados. Deve ser um filtro com cabeça aberta para o novo, analisando se aquilo realmente fará A diferença, entende?

Me estimula muito saber que as futuras gerações poderão ter essa oportunidade diferenciada. É o famoso “pensar fora da caixinha” que todo mundo fala e quase ninguém aplica. Seja por medo, por vaidade, por falta de entusiasmo, enfim, existem diversas coisas que movem e que também deixam de mover pessoas.

Mas o que busco aqui trazer é: não tenha medo do novo, ele vem pra mostrar que sim, é possível reagir a tudo de forma positiva.

Crédito para a imagem de destaque: www.noticias.universia.com.br